Psicólogos e Assistentes Sociais reivindicam implantaçãode equipe multidisciplinar nas escolas públicas de educação básica

Segundo uma das palestrantes, Raquel Guzzo, professora da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC/SP), a escola é a porta de entrada de todos os tipos de problema sociais, do bullying ao aliciamento de menores pelo tráfico, trazendo à tona as consequências das desigualdades sociais e empurrando o aluno das escolas públicas, muitas vezes, para a marginalidade.


A educação é um direito social, e que, portanto, necessita da implantação de políticas públicas que reúnam ao mesmo tempo, psicólogos e assistentes sociais e que orientem o educando para a sociedade, afirmou Maria Elisa dos Santos Braga, do Conselho Federal de Serviço Social.

Categoria Profissional de Psicólogos

Raquel Guzzo reivindicou ainda a criação da Carreira de Psicólogo para a Rede Pública de Educação. A situação hoje desses profissionais na rede pública de ensino é relegada a trabalhar com uma situação de indefinição e salários baixos, já que muitos deles concorrem para a área de saúde, quando na verdade são direcionados para a da educação.

Participaram do debate Carlos Felipe Nunes Moreira, do Conselho Regional de Serviço Social do Rio de Janeiro; Leovane Gregório, do Sindicato dos Professores do DF: Marilene Proença, da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional; Luis Antonio Gomes, vice-superintendente de Educação da Seicho-No-Ie do Brasil e Celso Francisco Tondin, do Conselho Federal de Psicologia.

Por sua vez, estiveram também presentes as deputadas Keiko Ota, Érica Kokay, Professora Dorinha Seabra Rezende e os deputados Paulo Rubem Santiago, Jean Wyllys, Stepan Nercessian, Izalci eTiririca.

Por Francy Borges

Assessora Imprensa da CEC

Fonte: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Guia de Abordagem Didático

Textos Didáticos